Logotipo

Delegado da Receita Federal destaca avanços obtidos pela Alfândega de Paranaguá

16 de junho de 2019

"Receita Federal, nos últimos anos, tem feito um trabalho intensivo na questão da agilização e facilitação na área de comércio exterior. Hoje, por exemplo, em Paranaguá, 98% das operações de importação são liberadas em até um dia", afirma o delegado Gerson Faucz

Compartilhe

Gerson Zanetti Faucz explicou a importância da atuação do órgão no município

Auditor fiscal de carreira, o delegado da Receita Federal em Paranaguá, Gerson Zanetti Faucz, concedeu entrevista para a Folha do Litoral News, na qual destacou a importância da atuação do órgão no município, algo que beneficia a economia, logística e segurança de Paranaguá e dos Portos do Paraná. Responsável pela principal porta de entrada e saída marítima do Paraná, Gerson Faucz explicou também a relação positiva da Receita Federal com a comunidade parnanguara e litorânea com realização de doações para diversas entidades assistenciais.

Natural de Curitiba, Gerson Faucz se formou em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) em 1992. Pertence ao quadro de carreira da Receita Federal na função de auditor fiscal desde 2004, exercendo suas funções no município há 15 anos. Foi nomeado delegado da Alfândega de Paranaguá em 13 de novembro de 2014, função que exerce até os dias atuais na Receita Federal. Confira a entrevista:

Folha do Litoral News: Como avalia a importância da atuação da Receita Federal em Paranaguá?

Faucz: A Receita Federal, nos últimos anos, tem feito um trabalho intensivo na questão da agilização e facilitação na área de comércio exterior. Hoje, por exemplo, em Paranaguá, 98% das operações de importação são liberadas em até um dia. Temos um foco na agilidade, bem como na questão de anexação digital dos documentos, então não há necessidade mais dos importadores e exportadores e seus despachantes estarem se deslocando sempre à Receita, eles podem resolver muitas coisas pela Internet, digitalmente.

Folha do Litoral News: Quais avanços tecnológicos obtidos pela Receita na questão dos alfandegamento?

Faucz: Estamos trabalhando muito junto aos recintos alfandegados em torno das regras de alfandegamento e área de segurança. Uma evolução que conseguimos é que todas as cargas que chegam a Paranaguá, na hora em que elas entram no recinto, já temos a identificação das placas dos veículos, número do contêiner, peso, nota fiscal eletrônica. Todos esses dados são transferidos automaticamente para os sistemas informatizados dos recintos alfandegados.

Folha do Litoral News: Esta seriedade do trabalho da Receita Federal acarreta em um prestígio de Paranaguá perante o mercado?

Faucz: Há uma segurança muito maior nos produtos que estão chegando e saindo de Paranaguá por exportação ou importação. O exportador tem uma segurança e confiabilidade muito maior hoje que sua carga está chegando a Paranaguá e que ela será exportada naquela quantidade e qualidade que ele trouxe. Esta agilidade faz com que os importadores e exportadores tenham uma confiança maior de que, por exemplo, uma mercadoria que vai chegar a Paranaguá com uma qualidade e quantidade correta", destaca, ressaltando que a exatidão das cargas é importante, pois uma pequena diferença no valor de movimentação representa valores financeiros grandes para os envolvidos. Outra questão é atuação da Receita Federal contra o tráfico internacional de drogas, algo que é positivo para a segurança local e acarreta mais prestígio do Porto de Paranaguá no mercado internacional.

Folha do Litoral News: Quais avanços estão programados para serem obtidos pela Receita?

Faucz: Buscamos sempre melhorar. Na área de tecnologia temos bastante auxílio dos sistemas informatizados, assim se pode separar as cargas que são possivelmente uma fraude das que não tenham. Cada vez o importador que é idôneo, que faz suas importações de forma correta, tem seus processos cada vez mais agilizados", explica. "Além disso, antes da mercadoria chegar no Brasil, que esteja em viagem da China ou da Europa, por exemplo, ela está no navio já pode ser declarado o que está chegando. Ou seja, quando chegar ao Brasil, a mercadoria já poderá ser liberada", acrescenta, destacando que o foco contínuo da Receita é a fiscalização e agilidade.

Folha do Litoral News: Além da questão profissional, como é a relação que a Alfândega da Receita Federal com a comunidade local?

Faucz: É positiva. No começo do ano realizamos doações para a Feira da Partilha, algo que beneficiou três instituições beneficentes de Paranaguá e do litoral. Estamos sempre ajudando quando possível. As entidades que foram ajudadas são idôneas, das quais realmente sabemos o trabalho bonito que elas fazem, com atendimento a crianças, idosos e deficientes. Outro ponto importante foi a doação nos últimos anos de máquinas, equipamentos e veículos para serem utilizados pela Prefeitura de Paranaguá em prol de serviços públicos à população. Sempre que podemos estamos doando. Além disso, realizamos em junho a doação de 920 mechas de cabelo para o Instituto Peito Aberto de Paranaguá.

Além de ser principal porta de entrada e saída marítima do Paraná, Receita Federal possui relação positiva com a comunidade parnanguara e litorânea com realização de doações para diversas entidades assistenciais

 

 


Colunistas