conecte-se conosco

Entrevista

Delegada de Matinhos comenta caso de feminicídio que chocou o litoral

Idosa de 66 anos teve o corpo queimado pelo companheiro

Publicado

em

O feminicídio ocorrido no dia 31 de dezembro de 2019, em Matinhos, chocou o litoral do Paraná. A Polícia Civil do Paraná (PCPR), em conjunto com a Polícia Militar do Paraná (PMPR), prendeu o homem, de 65 anos, o qual assumiu o assassinato da namorada, de 66 anos.

A vítima foi até a casa do suspeito, no Balneário Praia Grande, onde tiveram um desentendimento e, em seguida, o homem jogou gasolina na namorada e ateou fogo. A mulher ficou com cerca de 90% do corpo queimado e foi encaminhada para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

Segundo as autoridades responsáveis pelo caso, o homem confessou o crime com tranquilidade. A situação foi relatada pelo agressor com frieza, sem demonstrar arrependimento. A mulher estava sentada no sofá, o namorado chegou, pegou o combustível e ateou fogo contra ela. Algumas testemunhas já foram ouvidas e afirmaram que o casal discutia muito, mas nenhuma ocorrência relacionada à violência contra a mulher havia sido registrada na delegacia.

Ele vai responder pelo crime de feminicídio e está à disposição da Justiça. O autor do crime já tinha passagens pela polícia por violência doméstica, o que pode agravar a pena, como explicou a delegada da Polícia Civil de Matinhos, Sâmia Cristina Coser, nesta entrevista. Confira:

 

Folha do Litoral News: O agressor já tinha histórico de violência doméstica?

Dra. Sâmia: O homem já havia sido preso pela delegacia da mulher em Curitiba, ficou oito dias preso com relação à violência que ele praticou contra a ex-esposa, que hoje já é falecida por morte natural. Por isso, já há um histórico de violência. É interessante que se pense e se questione se houve algum tratamento, se ele foi inserido em algum programa, porque ele saiu de um relacionamento que já era abusivo, foi para outro, com outra mulher, e ele continuou com as mesmas práticas.

 

Folha do Litoral News: O fato de ser reincidente agrava a situação do agressor?

Dra. Sâmia: Com certeza. Assim como pela forma com que ele praticou esse homicídio, o que certamente também será levado em consideração.

 

Folha do Litoral News: Como as mulheres podem se proteger?

Dra. Sâmia: Ao primeiro sinal de violência é importante que a mulher se afaste desse agressor. Nada dará mais resultado do que se afastar. Quando começa o relacionamento e percebe que é abusivo, se afasta já no começo, não dê continuidade a isso porque a tendência é que piore. Neste caso, ele já tinha ciúme dela, já havia discussões anteriores e, no momento de raiva, essa sensação de domínio, ele se vê no direito de matá-la. Tanto que ele não demonstra nenhum arrependimento, pelo contrário, ele só tenta justificar, dizendo que ela tinha um amante, como se ela pertencesse a ele e tivesse esse direito. A mulher precisa se afastar do agressor e procurar a delegacia, procure ajuda de um psicólogo, pois muitas mulheres não conseguem se libertar desse relacionamento abusivo e precisam da ajuda de um profissional. Procure um grupo de apoio a mulheres que são vítimas de violência, afaste-se desse companheiro abusivo porque ele pode cometer um feminicídio.

 

Folha do Litoral News: Qual a dificuldade na aplicação da Lei Maria da Penha?

Dra. Sâmia: Um dos empecilhos para aplicarmos a lei aqui no município (Matinhos) é que, se a mulher sofreu violência física, que deixou marcas, ela precisa fazer o exame no IML (Instituto Médico Legal).

Continuar lendo
Publicidade

Em alta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.