Connect with us

Educação

Linguagens fazem parte do conteúdo do segundo dia do ENEM

Leitura e interpretação de textos são fundamentais para alcançar um bom resultado

Publicado

em

Entre as diversas áreas do conhecimento que fazem parte dos dois dias de prova do Enem, o conteúdo de Língua Portuguesa, no segundo dia, é inserido na avaliação de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Apesar de toda a prova ter como característica a exaustão devido ao tamanho e quantidade de textos, a prova de linguagens exige ainda mais atenção do estudante para a leitura de todo o conteúdo.

Alguns dos itens descritos para cair nesta prova são leitura e interpretação de textos, artes corporais, texto literário, produção de texto, argumentação, norma culta da língua e tecnologias da informação e comunicação. Além da redação, que consiste em um texto dissertativo argumentativo sobre um tema atual e, geralmente, polêmico.

A técnica pedagógica do Núcleo Regional de Educação de Paranaguá e professora de Língua Portuguesa, Janete Lode da Silva, explicou que é comum surgirem questões ligadas à semântica, figuras de linguagem, além de movimentos literários. “Na última prova do Enem, observamos a escola literária denominada Modernismo e Pós-Modernismo nos textos elencados pelos organizadores da prova. Conhecer esse movimento literário é conhecer a historia cultural brasileira, desde a sua época até hoje”, contou.

 

 

A interpretação de textos é pedida em várias áreas do conhecimento, ainda mais na Língua Portuguesa. “Quando a gente coloca aos alunos a questão das figuras de linguagem, isso facilita para eles a interpretação literária com os recursos estilísticos que os autores preconizam em suas obras”, disse Janete, destacando sobre como o tema é trabalhado em sala de aula.

Ao contrário do texto jornalístico, que tem como princípio a objetividade, os textos apresentados na prova do Enem possuem recursos estilísticos nas entrelinhas. “A maior dificuldade dos alunos é identificar isso”, afirmou Janete.

A variação linguística é outro item facilmente encontrado em provas anteriores do Enem, segundo a professora. “Quando lemos um recorte do Graciliano Ramos, Vidas Secas, por exemplo, estamos falando da região Nordeste, que é diferente da região Sul e Sudeste e tudo acaba sendo envolvido nisso. Não só no contexto da gramática, mas da própria interpretação de textos e do movimento literário que o autor está inserido”, sinalizou Janete. Além de Graciliano Ramos, outros autores que merecem o estudo para a prova do Enem são Clarice Lispector, Guimarães Rosa, Oswald de Andrade e Carlos Drummond de Andrade.

O conhecimento é importante, mas a preparação psicológica também é um ponto que pode influenciar no resultado final. “É essencial que o aluno tenha confiança nele mesmo. O Enem é exaustivo, por isso, tranquilidade e paciência são fundamentais. Se estiver em dúvida, vá para outra questão e depois volte”, orientou Janete.

Continuar lendo