Logotipo

Estudantes da Escola Municipal Edinéa Garcia criam labirinto hidráulico

08 de outubro de 2019

Jogo educativo foi elaborado na aula de ciências e hoje é um dos passatempos preferidos das crianças

Compartilhe

A Escola Municipal Edinéa Garcia, localizada no Jardim Samambaia, tem desenvolvido vários projetos para despertar a criatividade dos estudantes. Um deles acontece todos os dias envolvendo turmas diferentes e despertando as curiosidades científicas.

É a oficina de confecção de brinquedos educativos que vai muito além de uma simples montagem. Eles criam o projeto em aulas teóricas utilizando o caderno com as explicações dos professores.

De acordo com o coordenador pedagógico, Marcos Paulo Pontes dos Santos, o projeto de ciências visa a trabalhar a linguagem matemática por meio da confecção de brinquedos e experimentos que exploram temas voltados às ciências.

“Na confecção dos brinquedos, as crianças exploram propriedades das formas geométricas por meio dos recortes e mensuração de área e perímetro das formas, bem como a exploração de conceitos como arestas, ângulos e vértices”, explica.

Durante as oficinas são realizados, também, alguns experimentos que envolvem conceitos de hidráulica, mecânica, termodinâmica e movimentos uniformes.

“Todas essas ações são realizadas em níveis bem elementares, mas ocorrem em uma perspectiva lúdica, respeitando o universo infantil, mas sem subestimar as habilidades e criatividades das crianças”, complementa.

Uma das criações que mais tem feito sucesso, e que mais levou tempo para ser criado foi o labirinto hidráulico. Para criar o jogo, os estudantes trabalharam com medidas de comprimento, capacidade e superfície, e ao trabalhar com a confecção de peças para o projeto de labirinto hidráulico aprendem geometria plana.

“Nós utilizamos papelão, tinta, seringas e mangueiras. Tivemos a ajuda do professor e, aos poucos, fomos conseguindo. Levamos quase dois meses para acabar porque tinha que ficar certinho, do jeito que estava no livro”, contou Jader Gualberto de Assis, de 9 anos.

Assim como Jader, as demais crianças gostaram de passar por todas as etapas e ver o resultado final. Hoje utilizam o brinquedo como passatempo.

“Ao brincarem eles estão desenvolvendo várias questões como a percepção, concentração, articulação visual e motora e principalmente o trabalho em equipe porque um depende do outro”, ressalta o professor.

O jogo funciona de tal forma em que as crianças acionam as seringas e a pressão faz com que o tabuleiro se mova. É preciso muita concentração para levar a bolinha que está no tabuleiro até a sua casa. Para isso eles jogam em duplas fazendo pressão e combinando os movimentos.


Colunistas