Logotipo

Escola desenvolve atividades para combater a violência pela Internet

08 de maio de 2019

Crianças estão aprendendo diariamente sobre o Cyberbullying

Compartilhe

Os 300 estudantes matriculados na Escola Municipal Manoel Viana, em Paranaguá, estão participando de atividades que visam a combater a violência através da Internet. De acordo com a direção do estabelecimento de ensino, o ‘cyberbullying’ vem se tornando cada vez mais comum em virtude das facilidades do acesso à rede mundial de computadores. 
Com a popularização das redes sociais, muitas vezes sem vigilância, o bullying ganhou novo status: o cyberbullying. 

Com o objetivo de orientar e prevenir possíveis situações, o estabelecimento de ensino vem desenvolvendo ações entre as crianças, as quais estão aprendendo a como se comportar na Internet. 

De acordo com a pedagoga Jurema Bernadete da Costa, as atividades foram intensificadas nos últimos dias com a realização de cartazes e atividades em sala de aula.

“São desenvolvidos todos os dias ao longo do ano porque é cada vez mais comum a violência pela Internet. Muitos pais não deixam a criança sair para brincar pensando que estão seguras dentro de casa, mas estão em contato com o celular e sujeitos às coisas negativas”, aponta a pedagoga.  

O estabelecimento de ensino explica que o cyberbullying é o mau uso da tecnologia. Corresponde ao uso da Internet para assediar, ameaçar ou vitimizar outra pessoa de forma repetida. Pode acontecer em qualquer local, a qualquer hora, constantemente.

“Os pais devem conhecer o mundo digital de seus filhos verificando regularmente as postagens e sites que visitam. Devem ter consciência da forma como ele ocupa o seu tempo on-line”, explica a pedagoga.


CRIANÇAS ESTÃO ATENTAS

Os estudantes contaram que estão aprendendo cada vez mais como agir na Internet. Pedro Henrique da Silva Pirath, de 11 anos, mostrou que está esperto sobre o assunto. “Aprendi que não podemos ameaçar ninguém pela Internet e também não podemos acessar páginas desconhecidas e passar informações pessoais”, contou. 

Francine Bittencourt Rodrigues Narciso, de 10 anos, disse que não se deve fazer amizades com qualquer pessoa nas redes sociais. Laura Luane Oliveira dos Santos, também de 10 anos, contou que a Internet deve ser usada para coisas boas. “Podemos ouvir músicas, estudar e conversar com colegas da escola e família. Não podemos conversar com  pessoas estranhas, pois é perigoso”. Ariane Aparecida Moreira, de 9 anos, contou que é preciso muito cuidado com as amizades virtuais e tudo deve ser contado aos pais e professores. 
 

Colunistas