Connect with us

Portos do Paraná

Audiência pública debate arrendamento de área no Porto de Paranaguá

Arrendamento será da área PAR32, voltada para movimentação de carga geral, em especial açúcar ensacado (Foto: Claudio Neves/Portos do Paraná)

Publicado

em

Audiência pública debate arrendamento de área no Porto de Paranaguá

Encontro abordou questões operacionais, de engenharia, financeiras, econômicas e jurídicas

A Portos do Paraná realizou nesta quinta-feira (4) a audiência sobre o leilão de arrendamento da área PAR32, voltada para movimentação de carga geral, em especial açúcar ensacado, no Porto de Paranaguá.  Em 2020, o terminal paranaense teve o melhor índice de produtividade para este tipo de carga, no Brasil. A prancha média operacional chegou a 137 toneladas por hora.

A área tem aproximadamente 6,6 mil metros quadrados, destinada a movimentação de carga geral, em especial açúcar ensacado. O espaço já conta com estrutura de armazéns denominados 6A e 6B. O prazo de arrendamento é de 10 anos, prorrogáveis a critério do poder concedente.

“Este é o primeiro procedimento licitatório que a Portos do Paraná realiza desde o início, na fase de consulta pública. Esta é uma área que já é ocupada por uma empresa, com um contrato de transição. Agora os estudos preveem um cenário de mercado para os próximos dez anos. Isso permite que o porto arrecade mais, com valores atualizados de movimentação por tonelagem de carga”, destaca Marcus Freitas, diretor jurídico e presidente da Comissão de Licitação de Áreas Portuárias.

O certame é considerado um marco na história da empresa pública. “Graças a autonomia que nos foi concedida, por conta da delegação de competência que conquistamos em 2019, somos os primeiros portos do Brasil a comandar de forma soberana audiências públicas que darão sequência ao processo de licitação de áreas disponíveis para novos arrendamentos”, destacou o diretor de desenvolvimento empresarial da Portos do Paraná, André Luiz Piolli. 

TRANSPARÊNCIA

A audiência tem como finalidade debater questões operacionais, de engenharia, financeiras, econômicas e jurídicas. Desta forma, além de atender a determinação legal, a empresa pública garante transparência e publicidade aos seus atos e dá oportunidade de participação efetiva de todos que tenham interesse em se envolver no processo licitatório, com perguntas e sugestões.

“Esta fase é extremamente importante, porque é uma oportunidade real de aprimorar os estudos e a modelagem proposta. Em todas as audiências de áreas portuárias que realizamos, os estudos foram melhorados, depois de incluir sugestões recebidas em audiências”, revela Disney Barroca, coordenador- geral de Modelagem de Arrendamentos Portuários da Secretaria Nacional de Portos.

Segundo ele, as licitações portuárias tratam de temas complexos e as audiências sempre trazem detalhes importantes. “Hoje recebemos perguntas sobre custo unitário de equipamentos, modelagem do terminal, receita. A etapa pública é o momento de identificar o valor justo a ser cobrado por determinada área, ou seja, ofertar ao mercado oportunidades que sejam adequadas para a autoridade portuária e para o setor privado”, completa.

LEILÃO 

O leilão da área PAR32 será realizado pela autoridade portuária paranaense e os procedimentos prévios são realizados com apoio da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) e da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), vinculada ao Ministério da Infraestrutura.

CONSULTA 

O prazo para consulta pública ficará aberto até o dia 24 de fevereiro e é possível incluir as manifestações no site www.portosdoparana.pr.gov.br, no campo disponível na página inicial.

Fonte: Portos do Paraná – AEN

Leia também: Chuvas provocam paralisação em parte das operações portuárias