Connect with us

Paranaguá 372 anos

IHGP realiza atendimentos de pesquisa de modo on-line na pandemia

Espaço voltará ao atendimento presencial após distribuição da vacina contra a Covid-19

Publicado

em

Diogo Rodrigues Alves é o atual presidente da instituição

O Instituto Histórico e Geográfico de Paranaguá (IHGP) é um dos principais locais para pesquisadores no município e em todo o Paraná, devido ao vasto acervo do espaço. Desde março, quando a pandemia do novo Coronavírus chegou ao Brasil e ao Paraná, o IHGP, que conta com a presidência de Diogo Rodrigues Alves, suspendeu seu atendimento presencial, como forma de prevenção à enfermidade, entretanto, segundo Alves, está atendendo pesquisadores, estudantes e cidadãos com demandas de pesquisa de maneira on-line, visando a fazer com que o instituto siga ativo, mesmo com o isolamento social.

A diretora da biblioteca do IHGP, Guadalupe Vivekananda Fabry, e a diretora e secretária, Lizangela Pinto Siqueira, explicam que o instituto suspendeu reuniões de diretoria e abertas ao público devido à pandemia. “As demandas de pesquisa estão sendo atendidas pelo e-mail [email protected], algo que está sendo respondido especialmente pelos diretores Almir Silvério da Silva e Priscila Onório Figueira”, informam.

Diretora do IHGP, Guadalupe Vivekananda Fabry, explica sobre o atendimento on-line

“A demanda de pesquisa é grande, vêm pedidos tanto de Paranaguá, como de outras cidades do Paraná e de outros estados. A página do IHGP no Facebook também continua ativa e mantida pela diretora Lizangela Pinto Siqueira no link https://www.facebook.com/museu.IHGP/“, afirma o IHGP. A página no Facebook é atualizada constantemente com diversos fatos históricos de Paranaguá, do litoral e do Paraná com o vasto arquivo que o IHGP conta, algo que já atraiu mais de 7 mil seguidores.

“Após a pandemia o IHGP continuará fechado, caso não tenhamos a vacina contra o Coronavírus, uma vez que a maioria das pessoas que frequentam o IHGP pertence ao grupo de risco, inclusive os voluntários. O IHGP funciona devido ao trabalho voluntário de algumas abnegadas pessoas”, afirmam Guadalupe e Lizangela.

Fotos: Arquivo