Connect with us

Cultura

Marcel Fernandes abre exposição na Galeria Virtual da Maré

Artista irá mostrar o céu, o mar e a natureza de Antonina

Publicado

em

Na quarta-feira, 2, às 19h30, acontece a abertura da exposição fotográfica “Calmeiro”, de Marcel Fernando. As obras poderão ser visualizadas na Galeria Virtual da Maré, que é um espaço da produtora Arte Criativa Cultural. 

Calmeiro é uma história sobre o agora. “É um conto escrito dentro do furacão que estamos vivendo. São palavras-imagens sussurradas no ouvido do espectador e construídas a partir de um recorte do meu acervo, capturadas entre 2016 e 2020, com distintos dispositivos, mas que emergem para essa história entre o imaginário e o sonho, entre a realidade e a ficção”, explica o artista Marcel Fernandes, o qual destaca, ainda, que a mostra é muito significativa. “É escrita com cenários que me são muito caros, como o céu, o mar, a natureza e o etéreo que nos envolve. Não há uma preocupação com técnica ou virtuosismo nessas imagens, o que me atrai são essas camadas de percepção da realidade, que permitem captar até mesmo certa banalidade, mas que um olhar atento encontrará conexões pungentes sobre a fugacidade da vida”, complementa.

Solidão e noites estreladas estimulam a interpretação das imagens

O espaço virtual é produzido pela produtora Clauba Machado Mendonça, que é responsável pela montagem da exposição que tem a curadoria assinada por André Serafim. “O espaço expositivo do ac.cultural tem tido boa repercussão em níveis regionais e até nacionais, visto que esse espaço virtual tem sido uma janela para alcançar um público diversificado e os artistas que vêm aderindo a nossa proposta apresentam materiais que nos enchem de orgulho. A exposição do Marcel é memorável. Sou suspeita em falar porque admiro muito ele tanto como pessoa como artista. A exposição traz belas fotografias com um olhar singelo e transformador do cotidiano”, explica.

Artista define que a mostra traduz em imagens um pouco do furacão que estamos vivendo.

Já o curador André Serafim define poeticamente a exposição como uma calmaria que entoa em uma canção entre seus versos. “Como em uma nave capaz de navegar em águas calmas e com poucos ventos. Mesmo em tempos conturbados, o presente aqui em exposição são as imagens. Registros fotográficos pelos olhos do artista natural de Antonina, litoral paranaense. E são como respirar. Sua alma de artista é como lentes de aumento e captam um momento único de silêncio”, finaliza Serafim.