conecte-se conosco

Coronavírus

Em decisão, Judiciário aponta gestão proativa do Estado no enfrentamento da pandemia

Estado do Paraná não está obrigado a seguir a matriz de risco elaborada por outros órgãos de saúde

Publicado

em

O Poder Judiciário acolheu os argumentos da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) em relação à atuação do Governo do Estado no enfrentamento da pandemia da Covid-19 e julgou improcedente uma Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público em setembro do ano passado. 

No parecer, assinado no começo do mês, o juiz Marcos Vinícius Christo, da 1.ª Vara de Fazenda Pública, avaliou que o Estado do Paraná tem atuado com todos os esforços necessários na contenção do vírus.

“Ao invés da falta de critérios claros e científicos acerca das medidas de enfrentamento à pandemia do Coronavírus (SarsCoV-2), o Estado do Paraná tem atuado de forma proativa, com elaboração de plano estratégico e edição contínua de atos normativos em razão da dinâmica da crise de saúde pública que tem sido enfrentada”, diz trecho da decisão.

A defesa foi necessária diante do pedido de intervenção judicial para aplicação de ações não obrigatórias na gestão da saúde pública.

No processo, a PGE apresentou todas as ações que têm sido realizadas pelo Estado no trato da pandemia, sendo a maioria disponibilizada publicamente pelo site www.saude.pr.gov.br/Pagina/Coronavirus-COVID-19, pelo portal do Coronavírus Paraná e pela comunicação diária com a sociedade. 

Também explicou que estão disponíveis para consulta, por exemplo, curva de casos novos e de óbitos acumulados em função dos meses; casos novos e óbitos por data; casos novos por data de confirmação do diagnóstico; óbitos segundo data de ocorrência; média móvel de casos por data de diagnóstico; média móvel de óbitos por data; número de testes realizados, separados por método PCR e testes rápidos; ocupação de leitos, separando-se SUS e rede privado e tipo de leito; coeficiente da mortalidade; e índice de isolamento diário.

As evoluções ou inflexões desses indicadores ajudam a embasar as decisões tomadas pelo Governo do Estado em relação às medidas restritivas de circulação.

Na ação, o Ministério Público pedia para que fossem adotadas medidas que o órgão acredita serem eficientes enquanto durar o estado de emergência na saúde pública, já renovado pela administração estadual até dezembro deste ano. O Judiciário, contudo, apontou que o Estado não tem sido omisso no planejamento, mas tem realizado a coleta de dados completos e específicos que envolvem todo o monitoramento da epidemia.

“Inclusive dos recursos tecnológicos e humanos disponíveis, bem como cenário epidemiológico de cada macrorregião do Estado, os quais, divulgados de forma frequente e ampla, servem de base científica na tomada de decisões da exclusiva competência do gestor público”, afirmou o juiz.

O magistrado ressaltou que o Estado do Paraná não está obrigado a seguir a matriz de risco elaborada por outros órgãos de saúde citados pelo MPE. Ele afirmou, ainda, que cabe aos agentes públicos, exclusivamente, avaliação dos riscos, com definição e implementação de políticas públicas que visem dar maior efetividade ao combate contra o avanço da pandemia. 

O juiz alertou que a atividade judicial, em regra, não pode sobrepujar à atividade desenvolvida pelos outros poderes do Estado (Legislativo e Executivo), sob pena dos riscos do ativismo judicial.

Fonte: AEN

Foto: José Fernando Ogura / AEN

Em alta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.