Logotipo

14 de maio de 2019

O comportamento e a segurança pessoal

A sensação de insegurança nas ruas, infelizmente, vem ficando mais acentuada dia após dia, isso em virtude do número crescente de assaltos e casos de violência, os quais amedrontam a população. Em razão disso, faz-se necessário se adotar novas formas de comportamento, sobretudo, quando se está em deslocamento pelos logradouros da cidade.

De acordo com especialistas em segurança urbana, as pessoas precisam agir de forma a evitar situações de risco. E, para isso, é fundamental estar constantemente em alerta e observando os espaços.

Ao se caminhar pelas vias urbanas é imprescindível ter máxima atenção aos pertences, andar apenas com o que for estritamente necessário e nunca esquecer que o alvo principal dos criminosos na atualidade é o celular, portanto nunca transitar com o objeto nas mãos, pois isso facilita a ação de assaltantes.

Além disso, é muito importante não transitar sozinho por vias ermas e escuras, pois pode haver pessoas escondidas à espreita para agir contra possíveis vítimas. Também é importante que as pessoas ao transitarem devem evitar colocar bolsas para trás e carteiras nos bolsos traseiros, pois se constituem em um verdadeiro chamariz para roubos.

Outros fatores a serem destacados é que o cidadão ao transitar de automóvel, não deve entender que o veículo é uma proteção, mas sim um alvo. Desta forma, todos os condutores devem redobrar a atenção quando for parar em semáforos, ficar atento à movimentação e nunca parar sem deixar distância adequada de um automóvel à frente para uma necessária manobra e aceleração; também não se deve esquecer de nunca deixar objetos à mostra nos veículos, pois atraem os assaltantes, bem como não identificar o carro como adesivos ou qualquer item parecido, além, é claro, de não ficar dentro do automóvel quando estacionado, a sensação de segurança do carro é uma ilusão.

São inúmeras dicas para se ter mais segurança no dia a dia e cabe a cada cidadão estar constantemente em alerta para proteger a si mesmo e não se descuidar um só instante para que não vire mais um número na estatística da criminalidade.

Compartilhe

Colunistas