Logotipo

25 de maio de 2019

Adoção: Ato de amor

Inúmeras crianças e adolescentes estão à espera de um lar no Brasil. São frutos de famílias desestruturadas, acometidas por diferentes problemas, passando por situações de tráfico e uso de drogas indo até maus-tratos. Quando a criança ou o adolescente está em situação de risco, as autoridades agem de forma a retirá-lo dessa exposição a perigos, colocando-o em um local seguro.

Muitos desses menores ficam à espera de uma nova família, na qual encontre o ambiente favorável ao seu desenvolvimento. Aí entram as adoções e sua função transformadora.

Adotar é um ato de amor, no qual a família adotante se compromete e se prontifica a oferecer dignidade ao novo membro, que deve ser acolhido e ter suas necessidades e anseios atendidos pelos novos familiares.

No Brasil, há um processo burocrático para quem se candidata a ser mãe ou pai adotivo, o que se constitui em um fator necessário e imprescindível, pois há que se ter cuidado para com o local a abrigar a criança e as pessoas que estarão ao seu redor, pois não se trata de uma negociação de uma mercadoria, e sim de uma vida, do futuro de uma criança, a qual necessita de cuidados essenciais para que possa se desenvolver de modo a construir seu caminho rumo a um futuro de conquistas.

A adoção deve ser incentivada no meio social e faz-se necessário haver união entre as pessoas para que seja possível retirar esses menores que estão sofrendo, vítimas, muitas vezes, de maus-tratos e outras situações inimagináveis, dessa total falta de perspectiva, ou seja, é tempo de se buscar meios a facilitar a adoção para que se construam possibilidades de mudanças na realidade social que se apresenta na atualidade.

Muitas crianças estão sofrendo e cabe à sociedade como um todo tentar amenizar este sofrimento. A adoção é uma das formas eficazes de "driblar" essa realidade, portanto que se invista na busca pela celeridade de processos para que o tempo de espera para um novo lar seja diminuído e a infância possa ser resgatada e vivida em sua plenitude. As crianças agradecem!

Compartilhe

Colunistas