Logotipo

TJPR registrou mais de 58 mil casos de violência doméstica em 2018

11 de abril de 2019

Paranaguá ainda não conta com uma Casa de Acolhimento que ampare as mulheres e seus filhos, o que também não contribui para encerrar o ciclo de violência.

Compartilhe

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) divulga, anualmente, a estatística de casos de violência doméstica e feminicídios cometidos no Brasil.

Em 2016, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) registrou 49.794 casos pendentes de violência doméstica. Em 2017, esse número foi para 41.856 e, em 2018, saltou para 58.200. A variação de 2017 para 2018 foi de 39% de aumento.

Feminicídio

O Código Penal, para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, instaurou a lei 13.104/15. Desde então, é considerado feminicídio quando há violência doméstica e familiar, menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

Como a lei do feminicídio data de 2015, o TJPR registrou 298 casos de feminicídio.

MEDIDAS PROTETIVAS

O número de solicitação de medidas protetivas também aumentou. As mulheres têm conhecido mais sobre essa ferramenta da Justiça, prevista na Lei Maria da Penha, que proíbe, por exemplo, a aproximação do agressor e o contato telefônico. Em 2016, o TJPR expediu 17.964 medidas e, em 2018, este índice saltou para 25.082.

DESISTÊNCIAS DE DENÚNCIAS

O acesso à informação e a propagação de notícias relacionadas à violência contra a mulher contribuíram com o aumento das denúncias. No entanto, muitas delas, apesar desse encorajamento para denunciar os companheiros, voltam atrás e mantêm o relacionamento.

A coordenadora do Núcleo Municipal Intersetorial de Prevenção à Violência, Promoção da Saúde e da Cultura da Paz, Helenize Zanon, atribui essa desistência a vários fatores.

“Primeiro, percebemos que algumas têm medo do homem, medo de sofrer mais alguma agressão, da polícia não dar as devidas providências e que elas não sejam amparadas. Mudou um pouco agora, pois com a Patrulha Maria da Penha está tendo um entendimento diferente”, disse. “Orientamos as mulheres a nunca retirarem as queixas”, enfatizou.

Paranaguá ainda não conta com uma Casa de Acolhimento que ampare as mulheres e seus filhos, o que também não contribui para encerrar o ciclo de violência. Outro fator mencionado pela coordenadora do Núcleo é a dependência financeira. “Muitas têm dependência econômica e afetiva muito grande. O que faz com que elas fiquem perto desses homens é a carência afetiva que elas têm, essa é uma das piores coisas. Essas mulheres estão mais vulneráveis porque não têm profissão. Paranaguá também não tem um tratamento para o agressor”, afirmou Helenize.

O recado que a profissional deixa é para que as mães eduquem seus filhos para que esse tipo de violência não seja mais tão presente na sociedade. “Ensine o seu filho a respeitar e não agredir as mulheres e ensine a sua filha a não perdoar uma agressão”, finalizou Helenize.

Colunistas