Connect with us

Cultura

“Entre Sapatos e Livros” será lançado em Paranaguá

Obra retrata a vida de um sapateiro na militância comunista em Paranaguá…

Publicado

em

A Casa Prelúdio, localizada na Vila Itiberê, em Paranaguá, anunciou o lançamento da obra “Entre sapatos e livros – A trajetória de um sapateiro na militância comunista em Paranaguá – PR, 1935 a 1964" de autoria de Thiago Possiede. O evento de lançamento vem sendo divulgado por João Ricardo, o qual realiza atividades culturais no espaço.

No dia 20 de janeiro, será realizado o ‘Flash Tatoo Day’ em sua sexta edição, a partir das 14h. O livro estará à venda no local através de um evento aberto ao público pelo valor de R$ 30. A casa Prelúdio fica localizada nas proximidades do Senac, na Rua Olário Guimarães, 43.

LIVRO

Thiago Possiede, autor da obra, é natural de Paranaguá, pesquisador e professor na área de História. Ele vem se destacando no cenário literário por meio de seus trabalhos. 

O livro fala um aspecto pouco conhecido da política local, a qual foi defendida na tese de mestrado do escritor, na Universidade Federal do Paraná.

"Procurei investigar a formação da militância comunista em Paranaguá, a partir da trajetória de um sapateiro e sua biblioteca particular, bem como as relações que foram tecidas entre militantes do Partido Comunista do Brasil que viveram na cidade portuária, em um recorte temporal que vai de 1935 até 1964”, explica o escritor.

A obra retrata ideias políticas, conflitos, particularidades, repressão, greve, prisões, militância, resistência e paixões políticas.

“Todas essas palavras, talvez, condensam as realidades que busquei observar de perto, na vida cotidiana de uma cidade que, aparentemente, nada acontecia do ponto de vista dos conflitos políticos e ideológicos. Penso que o tema pode ser interessante, tanto para o público especializado e acostumado com a vida de pesquisador, quanto para o público em geral, interessado na História do Brasil Contemporâneo”,  ressalta.

A obra retrata que a democracia deve ser sempre colocada como horizonte de expectativas, em um processo constante de busca por sua ampliação e aprofundamento, em todas as esferas da vida.

“Talvez, pode ter sido isso que os trabalhadores do Porto de Paranaguá buscavam, por meios diferentes, expressar os seus desejos e angústias. Arrisco dizer que o principal agente histórico focalizado, o sapateiro Antônio Araújo Rocha, desejava isso do fundo do seu coração: uma transformação total do Estado a favor dos trabalhadores e da gente pobre deste País, e uma transformação do conceito de democracia a favor dos interesses da população mais carente de serviços, esquecida ou abandonada pelo Estado e ao mesmo tempo explorada até os ossos pelas classes dominantes”, finaliza.

Thiago Possiede pesquisou em diversas fontes em Paranaguá para concluir a obra

Continuar lendo