Logotipo

Cultura caiçara é desenvolvida na Escola Hugo Correia

12 de setembro de 2019

Estudantes estão aprendendo as tradições culturais da cidade

Compartilhe

O projeto ‘Lemarde’ Cultura Caiçara foi pré-selecionado para a ação destaque do Sistema de Ensino Família Escola (Sefe). A atividade é desenvolvida para 40 alunos dos terceiros anos integral da Escola Municipal Hugo Pereira Correia.

A premiação da Sefe ocorre a nível estadual, buscando valorizar os projetos educacionais realizados nos estabelecimentos de ensino em todo Paraná. Em outubro o projeto será apresentado em Curitiba juntamente com outros que foram selecionados. Trata-se de uma apresentação que poderá resultar em premiação.

PROJETO 

O projeto foi criado pelas professoras Paola Frison e Tatiane Gonçalves e tem como objetivo garantir a aprendizagem dos estudantes que por algum motivo chegaram ao terceiro ano apresentando defasagem na leitura e na escrita. Além disso, também busca resgatar a cultura caiçara. “Sabemos que são poucos os povos que têm o privilégio de ser tão ricos em tradições. Assim eles aprendem sobre as lendas, os sambaquis, os pontos turísticos, o barreado, o dicionário 'bagrinhês' e outros valores e saberes locais”, destaca a professora Paola Frizon. 

“Iniciamos o projeto com uma roda de conversa com nossos estudantes e, como referência visual, utilizamos um cartaz com palavras-chave do livro ‘Navegando na História de Paranaguá’ e que fazem parte do início da história da cidade. A contação de história foi rica em detalhes para que os estudantes pudessem observar e entender como nossa história começou. A intenção de partirmos do ponto de início da colonização de Paranaguá foi fazer com que nossos estudantes valorizassem a raiz da sua localidade, entendendo como tudo começou”, explica a professora Tatiane Gonçalves.

AULAS PRÁTICAS

Neste sentido, os estudantes fizeram um passeio pelos pontos turísticos da cidade, quando conheceram de perto a história de todos os locais. Participaram de uma palestra com o professor e artista Denilson Capetta, o qual explanou sobre o folclore caiçara, aprenderam sobre as lendas e estão ensaiando para apresentar na escola. As crianças também aprenderam o dicionário "bagrinhês" e o significado de algumas expressões que são utilizadas no cotidiano parnanguara.

No dia 27 de setembro, os alunos que participam do projeto estarão na Ilha dos Valadares visitando a Associação Mandicuera. Lá eles terão contato com tudo o que estão aprendendo na sala de aula, ampliando ainda mais os conhecimentos.

De acordo com as professoras, até o presente momento, os resultados têm sido satisfatórios.

“Já conseguimos notar uma melhora significativa no que se refere à busca pelo conhecimento e interesse sobre o folclore caiçara, além de percebermos uma busca maior para a construção do conhecimento na leitura e escrita”, apontou a professora Paola.

A estudante Athalia Mendes, de 8 anos, contou que aprendeu muitas coisas nas aulas. “Gostei de conhecer as lendas e também algumas palavras novas que não conhecia”, contou.

Já o estudante Nicolas Delfino, de 8 anos, falou sobre o que mais gosta de estudar dentro do projeto. “Eu gostei do passeio que fizemos aos pontos turísticos. Pude conhecer a Fontinha e outros lugares que nunca tinha ido. Também gostei de estudar sobre os índios”, contou.  

 


Colunistas