Logotipo
Crônicas

Crônicas

Kátia Muniz é formada em Letras e pós-graduada em Produção de Textos, pela Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras de Paranaguá (hoje, UNESPAR). Foi colaboradora do Jornal Diário do Comércio por sete anos, com uma coluna quinzenal de crônicas do cotidiano. Nos anos de 2014, 2015 e 2016 foi premiada em concursos literários realizados na cidade de Paranaguá. Em outubro de 2018, foi homenageada pelo Rotary Club de Paranaguá Rocio pela contribuição cultural na criação de crônicas.

Compartilhe

Precaução

29 de novembro de 2018

Fui tomar café na casa de uma amiga. Éramos quatro, mas a anfitriã exagerou, fazendo um banquete como se fosse receber umas trinta pessoas. Sobrou muita coisa, claro. Ao final, ela veio com a frase: “Cada uma vai levar um pouco desses salgados, pois não poderei ficar com tudo isso”. E sumiu em direção à cozinha. Logo, apareceu com quatro potes de tupperwares recheados de coxinhas, rissoles e empadinhas.  

As outras amigas agradeceram, e tudo certo. Eu também agradeci, mas fiquei incomodada. O motivo: tenho pavor de empréstimos, de ficar com algo que não é meu, nem que seja por um curto período de tempo. O problema todo era o tal “pote”. “Você não tem uma embalagem descartável?”, insisti. “Leva nesse, Kátia, depois você me devolve”.

A primeira providência, ao chegar em casa, foi transferir o conteúdo da embalagem para outro recipiente e lavá-lo com esmero.  Às nove horas do dia seguinte, já estava apertando a campainha da casa da minha amiga para fazer a devolução.

Caro, leitor, você deve estar achando um exagero, mas cada qual com suas manias.

Sempre evitei pedir emprestado qualquer objeto ou solicitar determinados favores, mas já fui alvo de inúmeros pedidos: “Uau! Você tem o CD dos Tribalistas, me empresta?”. “Quando você terminar de ler esse livro, pode emprestá-lo?”. “Você pode comprar as entradas que depois eu te pago?”. Em todas essas situações, agi de boa-fé. Coitada de mim!

Nunca mais tive notícias do meu CD, do meu livro e do reembolso do dinheiro.

Tempos atrás, caí em outra arapuca. Mas, dessa vez, foi a gota-d’água. Aquela que faz o copo transbordar e nos ensina, de uma vez por todas, a dizer um sonoro “NÃO” ao pressentir a possibilidade de ser ludibriada.

Não tenho por costume deixar pessoas me aguardando. Se não posso ir a um determinado compromisso, aviso com antecedência. Tenho por hábito visualizar e responder às mensagens, pois acho uma deselegância tremenda quem deixa o interlocutor sem resposta. Também devolvo o troco recebido a mais. Tudo isso, para mim, é algo espontâneo e natural.  Ajo dessa forma por entender que esse é um comportamento correto, mas tenho consciência da ilusão de pensar que todos agirão com tamanho comprometimento. O mundo não é homogêneo.

Já fui tachada de boba e de estressada. Mas prefiro me intitular como alguém que cumpre com a palavra dada e com a responsabilidade assumida.

Se acredito na humanidade? Sim. Mas, por precaução, mantenho umas embalagens descartáveis e, agora, distribuo algumas negativas sem o menor sinal de culpa.

Por Kátia Muniz