conecte-se conosco

Centro de Letras

Homens e Mulheres

Como comentei anteriormente, havia um movimento de modernização em Paranaguá tentando padronizar os comportamentos sociais no início do século XX.

Publicado

em

Como comentei anteriormente, havia um movimento de modernização em Paranaguá tentando padronizar os comportamentos sociais no início do século XX. Existiam leis, mas grande parte do trabalho ocorria a partir do convencimento, com os formadores de opinião criticando hábitos indesejados e elogiando as atitudes vistas como saudáveis e moralmente aceitas.

Vimos como esses discursos agiam sobre os homens e meninos no futebol. O esporte era chamado de moderno e através dele seria (teoricamente) possível exercitar tanto o corpo quanto a mente. Por exigir uma conduta honrada e leal, o futebol condicionaria seus jogadores a se portarem de maneira adequada às regras do jogo. Com os meninos seria ainda mais eficiente, pois o condicionamento começaria cedo, antes que fossem vítimas de vícios como jogatina ou bebida alcóolica. Quando a prefeitura tentava regular o carnaval, os argumentos morais eram praticamente os mesmo e agiam sobre práticas masculinas como entrudo e os mascarados.

Os discursos normativos sobre os homens e meninos eram sempre presentes na mídia local, que apresentava o consumo de bebidas, jogatina e confusão como atitudes masculinas que precisavam ser extintas, nem que a polícia fosse necessária – até mesmo contra crianças! Provavelmente encontramos mais reclamações a respeito dos hábitos dos homens e meninos e menos sobre as mulheres porque elas deveriam ficar mais tempo em casa e não possuíam a mesma liberdade, inclusive na infância. Mas elas não ficaram fora da ação dos formadores de opinião e nem mesmo das autoridades, afinal, muitas não correspondiam ao padrão social desejado pelos discursos normativos. Nessa série analisaremos como esse projeto de normatização deixava bem definido qual era o tipo correto de mulher e qual não era. Elas deveriam ser boas filhas e irmãs, ótimas esposas e excelentes mães.

Por Alexandre Camargo de Sant’Ana

Continuar lendo
Publicidade