Logotipo

Paranaguá já aplicou mais de 1800 doses da vacina contra febre amarela

29 de janeiro de 2019

Número corresponde à vacinação realizada de quinta-feira, 24, a domingo, 27, em todas as unidades

Compartilhe

Com a confirmação da morte por febre amarela em macacos encontrados em região de mata em Antonina, na semana passada, a vacinação contra a doença foi intensificada no litoral do Paraná. A população de Paranaguá já respondeu ao chamado da Secretaria de Estado de Saúde (Sesa) e compareceu às unidades para tomar a vacina. Um balanço realizado pelo município apontou que, somente de quinta-feira, 24, a domingo, 27, foram aplicadas 1.844 doses.

Algumas unidades de saúde em Paranaguá têm distribuído senhas para poder organizar o fluxo de atendimento até o fim do expediente e, com isso, pode haver espera em alguns locais de maior movimento, como na unidade da Gabriel de Lara. No fim de semana, a vacina foi disponibilizada em uma ação na Ilha do Mel, na unidade básica de Nova Brasília e na Associação de Moradores de Encantadas, e também no Porto de Paranaguá, devido à abertura para visitação do navio “Fragata Independência”.

A Secretaria Municipal de Saúde informou que todas as unidades possuem a vacina contra febre amarela, mas que se corre o risco de haver falta e a equipe ter que se deslocar para buscar mais doses. Cada frasco da vacina contém cinco doses, por isso, se for aberto e utilizar apenas duas doses, o restante é perdido. A duração do frasco é de apenas seis horas após aberto. Algumas unidades têm distribuído senhas para agilizar o atendimento até o fim do expediente.

Unidade da Serraria do Rocha fica aberta em horário estendido, das 18h às 23h

HORÁRIO DAS UNIDADES DE SAÚDE

A população pode procurar pela vacina contra febre amarela em qualquer uma das unidades de saúde em Paranaguá, de segunda à sexta-feira, das 8h às 17h, são elas:“Helvécio Chaves da Rocha" (Banguzinho), “Norberto Costa” (Sete de Setembro, Ilha dos Valadares), “Evanil Rodrigues” (Jardim Araçá), “Simão Aisenman” (Vila Guarani), "Luiz Carlos Gomes" (Vila do Povo), “Argemiro de Félix“ (Santos Dumont), “Sueli Dutra Alves” (Caic), "Antonio Santo Escomação" (Colônia Maria Luiza), "Antonio Alves Ferreira" (Ilha de São Miguel), "São Miguel Gonçalves" (Ilha do Amparo), “Flora Neves da Graça” (Nova Brasília) e “Ana Neves” (Encantadas).

Com horário diferenciado, das 8h às 17h e das 18h às 23h, funcionam as seguintes unidades: "Aline Marinho Zacharias" (Vila Garcia), "Guilhermina Mazzali Gaida" (Jardim Iguaçu), "Domingos Lopes do Rosário" (Serraria do Rocha), “Dr. Elias Borges Neto” (Alexandra), “Rodrigo Gomes” (Ilha dos Valadares) e “Ubirajara Elias Roque” (Branquinho).

MOBILIZAÇÃO NO LITORAL

No sábado, 26, a Sesa enviou profissionais, insumos e materiais de comunicação para reforçar a mobilização e a vacinação contra a doença em Antonina e organizou uma reunião técnica em Matinhos.“Fizemos a articulação com todos os secretários e prefeitos dos municípios do litoral, deslocamos equipes para ajudar na vacinação, junto com insumos e mais vacinas, para que pudéssemos chegar aos pontos onde estão as pessoas que precisam tomar a vacina”, relatou o diretor geral da Secretaria de Estado de Saúde, Nestor Werner Junior.

Em Antonina, a procura pela vacina também foi alta. O secretário de Saúde de Antonina, Odileno Garcia Toledo, confirmou que o município vem trabalhando no sentido de vacinar e orientar a população. “Estamos atentos e esse reforço da Secretaria Estadual de Saúde é muito importante neste momento. Já tínhamos vacinado mais de duas mil pessoas e, só no sábado, com o apoio da SESA, foram mais 1.657”, afirmou o secretário de Saúde de Antonina.

No sábado, 26, a Sesa enviou profissionais, insumos e materiais de comunicação para reforçar a mobilização em Antonina e Morretes

QUAIS AS ÁREAS DE RISCO PARA A TRANSMISSÃO?

Áreas onde já há casos confirmados da doença, mortes de macacos por febre amarela e detecção do vetor (mosquito). Ainda assim, as áreas consideradas de maior risco são os locais de matas, florestas, rios, cachoeiras, parques e o meio rural.

QUAL É O TRANSMISSOR (VETOR) DA FEBRE AMARELA?

Na forma silvestre, o vetor (mosquito) é o Haemagogus e o Sabethes. Eles são encontrados em áreas silvestres e de mata. Já na febre amarela urbana (último registro em 1942), a doença é transmitida pelo Aedes aegypti e Albopictus. Daí a grande importância de controle desse vetor, pois além da dengue, zika e chikungunya, também pode transmitir a febre amarela.

QUAL O PAPEL DOS MACACOS NA TRANSMISSÃO DA FEBRE AMARELA?

Os macacos não transmitem a febre amarela. Adoecem e morrem da mesma forma que os humanos. Por isso, a morte de macacos é um sinalizador da presença do vírus na região.

QUANTO TEMPO LEVA DA PICADA ATÉ O INÍCIO DOS SINTOMAS?

Geralmente de 3 a 6 dias após a picada, podendo levar até 15 dias.

QUAIS OS SINTOMAS DA FEBRE AMARELA?

Os sintomas iniciais incluem febre súbita, calafrios, dor de cabeça, dor nas costas, dor no corpo, náuseas, vômitos e fraqueza. A maioria das pessoas melhora após os sintomas iniciais. No entanto, cerca de 15% dos casos apresenta um breve período de melhora e, então, desenvolvem uma nova fase mais grave da doença. Nesses casos, a pessoa pode desenvolver febre alta, icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos), hemorragia (especialmente a partir do trato gastrointestinal) e, eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos. De 20 a 50% das pessoas que desenvolvem a forma grave da doença morrem.

OS SINTOMAS DA FEBRE AMARELA PODEM SER CONFUNDIDOS COM OS DE OUTRAS DOENÇAS? É NECESSÁRIO FAZER O DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL PARA EVITAR DÚVIDAS?

Os sintomas da febre amarela podem ser confundidos com outras infecções agudas febris. O diagnóstico da forma leve e da forma moderada é difícil, pois pode ser confundido com outras doenças infecciosas do sistema respiratório, digestivo ou urinário. Formas graves com quadro clínico clássico ou fulminante devem ser diferenciadas de malária, leptospirose, febre maculosa, dengue e outras arboviroses (doenças transmitidas por insetos), e também dos casos fulminantes de hepatite. É necessário fazer o diagnóstico diferencial para: Dengue, zika, chikungunya ou outras arboviroses; Leptospirose: verificar contato com águas de enchentes/roedores; Hepatites agudas: verificar estado vacinal; Febre maculosa: verificar contato com carrapatos; Malária: viagem para áreas endêmicas.

COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO DA FEBRE AMARELA?

Confirmação laboratorial dos casos suspeitos.

O QUE VOCÊ DEVE FAZER SE APRESENTAR OS SINTOMAS?

Ao identificar sintomas de febre amarela deve-se procurar um médico na unidade de saúde mais próxima e informar sobre qualquer viagem ou atividade em área de risco em até 15 dias antes do início dos sintomas. A observação da morte de macacos assim como picadas de mosquitos em áreas de risco devem ser informadas ao médico e enfermeiros assim como o histórico de vacinação contra a febre amarela ou dengue.

QUAL É O TRATAMENTO DA FEBRE AMARELA?

Não há tratamento específico para a doença. O médico deve tratar os sintomas, como febre, dores no corpo e cabeça, com analgésicos e antitérmicos e oferecer suporte. Assim como na dengue, anti-inflamatórios e salicilatos (AAS) devem ser evitados, pois o uso pode favorecer sangramentos. O paciente deve ser acompanhado de perto e o médico deve estar alerta para qualquer sinal de piora do quadro clínico.

QUE ÉPOCA DO ANO HÁ MAIS CASOS DA DOENÇA?

A série histórica da doença no Brasil tem demonstrado maior número de casos humanos nos meses de dezembro a maio, devido ao aumento da temperatura na estação das chuvas, favorecendo a reprodução e proliferação de mosquitos (vetores) e, por consequência, o potencial de circulação do vírus.

A FEBRE AMARELA É CONTAGIOSA?

A doença não é contagiosa, ou seja, não há transmissão de pessoa a pessoa ou de animais (macacos) às pessoas. É transmitida somente pela picada de mosquitos infectados com o vírus da febre amarela.

COMO A DOENÇA PODE SER EVITADA?

A melhor forma de evitar é por meio da vacinação, que está disponível nas unidades de saúde. Também se recomenda proteção individual com o uso de roupas de mangas compridas, repelentes e mosquiteiros.

QUEM TEM INDICAÇÃO DE TOMAR A VACINA CONTRA A FEBRE AMARELA?

Todos os indivíduos de 9 meses a 59 anos de idade que moram em áreas com recomendação de vacinação e que nunca foram vacinados devem buscar uma unidade de saúde. O alerta se estende a quem mora em áreas rurais ou de matas e rios, ou que realizam atividades de trabalho ou lazer como pesca, agricultura, extrativismo de madeira e também os que planejam deslocamentos para áreas com casos confirmados da doença. Nesse caso, a vacina deve ser tomada pelo menos 10 dias antes do deslocamento para o local de risco.

JÁ TOMEI UMA DOSE DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA, DEVO TOMAR REFORÇO?

Conforme recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) apenas uma dose da vacina é indicada para a prevenção, mesmo que já tenha passado 10 anos da aplicação da mesma.

QUEM NECESSITA DE PRESCRIÇÃO MÉDICA PARA TOMAR A VACINA?

Gestantes, mulheres que amamentam crianças menores de seis meses de idade, alérgicos a ovo, pessoas com o sistema imunológico debilitado em razão de doença ou tratamento e pessoas a partir de 60 anos de idade. Gestantes, mulheres que amamentam e idosos deverão discutir risco-benefício da vacinação com seus médicos.

SE A PESSOA PERDEU O CARTÃO DE VACINAÇÃO, ELA PODE IR AO POSTO SE VACINAR?

Sim, mas se a unidade de saúde tiver o registro que a pessoa já tomou a vacina, não será preciso revacinar. Atualmente a Organização Mundial da Saúde (OMS) indica dose única.

A VACINA PODE PROVOCAR REAÇÕES ADVERSAS?

Sim, qualquer vacina pode provocar reações adversas leves, moderadas ou graves. Por esse motivo, orienta-se procurar uma unidade de saúde ao surgimento de qualquer sintoma pós-vacinação.

QUAIS OS PRINCIPAIS SINTOMAS EM CASO DE REAÇÃO ADVERSA?

A vacina pode provocar, na maioria das vezes, reações locais, dor de cabeça, febre e mal-estar em algumas pessoas.

Com informações da AEN


Colunistas