Logotipo

Paraná registra aumento de casos de dengue grave

10 de março de 2019

Situação é preocupante. Mais doze municípios apresentaram casos autóctones de dengue

Compartilhe

Como é previsto nesta época do ano, com muita chuva e altas temperaturas, os casos de dengue estão crescendo em todo o Estado. Na última semana, mais três municípios entraram em estado de alerta – Rancho Alegre (Centro-Oeste) Santa Mariana (Norte) e Capanema (Sudoeste). Já estavam nesta condição as cidades de Itambé e Moreira Sales. Em situação de epidemia continuam Uraí e Lupionópolis.

A situação é preocupante porque mais doze municípios apresentaram casos autóctones de dengue, ou seja, quando a doença é contraída no próprio local. No total, os casos autóctones aumentaram de 483 para 740, o que significa 53% de aumento, espalhados em 83 municípios. Entre importados e autóctones, o Paraná registra 798 casos de dengue (na última semana eram 536).

“Os números estão dentro da média esperada, porém a doença apresenta mais casos graves”, alerta o secretário estadual da Saúde Beto Preto, que, por isso, reitera a necessidade de uma vigilância efetiva por parte da população. “Mais uma vez pedimos a atenção da população, que pode contribuir, e muito, para amenizar a situação”, diz.

CRESCIMENTO

Os casos autóctones apareceram nos municípios de Ampére, Missal, Altônia, Diamante do Norte, Querência do Norte, Lobato, Paranacity, Califórnia, Sertanópolis, Nova América da Colina, Santo Antonio do Paraíso e São Sebastião da Amoreira.
O número de casos graves também aumentou – eles ocorrem em Uraí, Foz do Iguaçu, Londrina e Sertanópolis. Além disso, o número de casos com sinais de alarme passou de 6 para 28; oito deles estão em Cascavel, os demais em Uraí e Foz do Iguaçu. O Paraná registrou ainda um novo caso de chikungunya na cidade de Foz do Iguaçu, mas se trata de um caso importado.

CUIDADOS

A população deve limpar os quintais todas as semanas, para evitar acúmulo de lixo que possa juntar água. Vasos de plantas também podem conter ovos ou larvas de mosquitos.

Os criadouros estão em qualquer acúmulo de água parada, por menor que seja; até em tampinhas de garrafa. Mas são encontrados com maior frequência em lixo, como resíduos plásticos, espalhados pelas ruas. É preciso atuar ativamente mantendo quintais limpos, sem acúmulo de lixo, pneus, garrafas, por exemplo; calhas, marquises e ralos.

Os pratos das plantas podem ser completados com areia grossa até as bordas ou ser lavados com água, bucha e sabão todas as semanas, para eliminar ovos do mosquito. Locais de armazenamento de água devem ser mantidos com tampas.

AEN
 

Colunistas