Logotipo

Médico repassa dicas de prevenção ao sarampo e explica importância da vacina

13 de agosto de 2019

“Quem nunca tomou a vacina ou não lembra e não tem a carteirinha, deve tomar. No entanto, isso não é recomendado a alguns grupos, como: gestante, crianças com menos de 6 meses, imunudeprimidos e pessoas acima de 50 anos”, afirma o médico João Zattar

Compartilhe

João Zattar afirma que Paranaguá, assim como outras cidades do Paraná, corre risco de ter casos de doença

Após 20 anos sem incidência da doença, na quarta-feira, 7, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) confirmou o primeiro caso de sarampo no Paraná em décadas. Uma mulher de 41 anos, residente em Campina Grande do Sul, Região Metropolitana de Curitiba, que fica a aproximadamente 108 quilômetros de Paranaguá, está isolada em tratamento de sarampo e estão sendo feito procedimentos de bloqueio vacinal seletivo nas pessoas que tiveram contato com ela. Segundo a Sesa, ela esteve em São Paulo em julho, onde possivelmente contraiu a doença que apresentou seus sintomas no dia 2 de agosto. 

Segundo o médico João Felipe Zattar Aurichio, o último caso de sarampo no Paraná foi diagnosticado e tratado em 1999. “O retorno dessa doença infectocontagiosa, até então erradicada, representa um risco para todo o Estado, principalmente para o grupo de risco composto por: gestantes, crianças com menos de 6 meses, idosos, portadores de doenças crônicas e com baixa imunidade. É importante salientar que esse caso no Paraná é alóctone, ou seja, o contágio aconteceu em São Paulo, mas, é claro, que todas as pessoas não vacinadas em contato com o vírus têm 90% de chance de adquiri-lo”, explica. 

SINTOMAS

“O sarampo é uma doença infecciosa aguda e contagiosa, causada por um vírus que pode passar de pessoa a pessoa através das secreções da boca e do nariz. A pessoa pode contrair o vírus e demorar cerca de 10 dias para iniciar os sintomas, sendo que os principais são: febre 38 a 39ºC, dor de cabeça, congestão nasal, tosse seca, conjuntivite e ínguas no pescoço. Após uma semana desses sintomas, a pessoa pode apresentar manchas avermelhadas, que começam pela face, vão para o tórax e barriga e, após isso, para os braços e pernas. Nesse momento, pode haver a piora da infecção por uma pneumonia, meningite ou otite que pode até levar à surdez. E por último, há a remissão da doença”, explica o médico João Zattar. 

Segundo Zattar, o motivo da volta do sarampo ao Paraná é provavelmente a ausência de vacina e contato com o local do surto da doença que é o Estado de São Paulo (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

VACINAÇÃO

De acordo com o profissional de saúde, a prevenção é a forma mais eficiente de tratamento da enfermidade. “Não há hoje um tratamento específico para o sarampo. Portanto, a melhor forma de tratar é se prevenir. E a melhor prevenção que temos é a vacina, a qual está disponível no Brasil desde 1968, inclusive sendo aplicada na rede pública sob a forma de tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) ou tetraviral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela). No calendário vacinal, ela é feita de rotina aos 12 meses na criança e posteriormente aos 15 meses. Fazendo esse esquema, não precisa se vacinar caso esteja em uma vigência de surto”, complementa Zattar.

QUEM NÃO LEMBRA DE TER SIDO IMUNIZADO DEVE TOMAR A VACINA

O médico explicou a situação em torno de cidadãos que não lembram de ter sido imunizados ao sarampo e que pretendem tomar a vacina. “Muito importante, quem nunca tomou ou não lembra ou não tem a carteirinha deve tomar. No entanto, alguns grupos não devem tomar, como: gestante, crianças com menos de 6 meses, imundeprimidos e pessoas acima de 50 anos. Essa vacina é feita de vírus vivo, mas atenuado, portanto, ela pode gerar uma certa reação vacinal nesses grupos de risco”, explica. Além disso, de acordo com ele, quem já tomou a vacina ou já contraiu o sarampo não precisa se vacinar novamente.

RISCOS DE CASOS DA DOENÇA EM PARANAGUÁ

O fato do caso confirmado de sarampo ter sido na Região Metropolitana de Curitiba, em um município localizado a 108 quilômetros de Paranaguá, acendeu um alerta na população em torno da doença no litoral, bem como em todo o Paraná. Segundo Zattar, o motivo da volta do sarampo ao Paraná é provavelmente a ausência de vacina e contato com o local do surto da doença que é o Estado de São Paulo. “Por isso reforçamos que o melhor tratamento é a prevenção com a vacina. Paranaguá, como qualquer outra cidade do Estado, corre risco de ter casos da doença. Ainda mais sendo uma cidade com circulação altíssima de pessoas”, finaliza Zattar, afirmando estar à disposição dos cidadãos que tiverem mais dúvidas em torno do sarampo pelo WhatsApp (41) 99134-8913. 

Confira dicas do médico João Zattar de prevenção ao sarampo:

1. Verifique sua vacinação e dos seus filhos.
2. Na presença de sintomas gripais, evite contato com as pessoas.
3. Se apresentar manchas pelo corpo, procure imediatamente o médico.
4. Caso viaje para locais com surto ou casos, como São Paulo, e alguém que irá não for vacinado, vacine até 15 dias antes de ir.