Logotipo

Cuidados para conservar alimentos devem ser redobrados no verão

22 de janeiro de 2020

Os produtos de origem animal, como carnes, leite, ovos e derivados, são perecíveis e devem receber atenção especial (Foto: SESA)

Compartilhe

Confira dicas para comprar e preparar alimentos com segurança

A Secretaria de Estado da Saúde alerta para a importância de intensificar os cuidados para garantir a conservação dos alimentos nos períodos mais quentes. O calor propicia a multiplicação de bactérias e outros micro-organismos, além da produção de toxinas que podem contaminar os alimentos e a água. Os produtos de origem animal, como carnes, leite, ovos e derivados, são perecíveis e devem receber atenção especial, pois sofrem rápida deterioração com as altas temperaturas.

O descuido com a conservação e o preparo pode ocasionar infecções ou intoxicações, as chamadas Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs), cujos sintomas mais comuns são vômito, diarreia, dores abdominais, náuseas e febre, que podem se agravar, trazendo complicações e até a morte.

A coordenadora da Vigilância Sanitária da Secretaria de Estado da Saúde, Luciane Otaviano de Lima, orienta que na hora da compra devem ser observadas as características dos produtos. “Os alimentos refrigerados e congelados precisam estar armazenados em locais adequados. As embalagens dos congelados, por exemplo, não podem apresentar-se amolecidas ou danificadas com indícios de descongelamento”.

Ela salienta ainda a importância das precauções necessárias para a compra de pescados frescos, já que são produtos altamente perecíveis. “Os peixes frescos devem apresentar olhos brilhantes e salientes, textura firme com escamas bem aderidas à pele, as guelras fortemente rosadas ou vermelho vivo, úmidas e brilhantes, a superfície do corpo limpa, com brilho metálico, carne firme com consistência elástica; abdômen tenso, que não deixa marca a palpação dos dedos, além de odor suave”, explica Luciane.

Os alimentos refrigerados e congelados precisam estar armazenados em locais adequados. As embalagens dos congelados, por exemplo, não podem apresentar-se amolecidas ou danificadas (Foto: SESA)

No caso dos crustáceos – camarões, siris, caranguejos, lagostas – o aspecto deve ser brilhante e úmido, corpo com curvatura natural rígida, carapaça bem aderida ao corpo, odor e cor característicos da espécie, sem pigmentações estranhas, artículos firmes, olhos vivos e destacados.

Denúncia

Caso o consumidor identifique irregularidades, deve denunciar à Vigilância Sanitária do município. A denúncia pode ser feita também à Ouvidoria Geral da Saúde pelo telefone 0800 644 4414.

Dicas para comprar e preparar alimentos com segurança:

- Verificar com atenção o prazo de validade.

- Lavar as mãos antes de iniciar a preparação e durante o processo, sempre que necessário.

- Higienizar o local de preparo, equipamentos, superfícies e utensílios como faca e tábuas de corte.

- Lavar frutas, verduras e legumes em água corrente.

- Evitar a contaminação cruzada com a separação de carnes e peixes crus de outros alimentos, com o uso de diferentes utensílios, como facas e tábuas e corte, além de guardar os alimentos em recipientes/embalagens fechados para que não haja contato entre produtos crus e cozidos.

- Descongelar os alimentos em refrigerador ou em forno de micro-ondas, quando for submetido imediatamente ao cozimento, para garantir sua conservação.

- Refrigerar os alimentos cozidos e perecíveis preferencialmente abaixo de 5°C e, quando cozidos, mantê-los quentes acima de 60°C até o momento de serem servidos.

- Utilizar somente água tratada ou fervida.

- Usar água potável para o preparo de gelo. Quando o gelo é utilizado para refrigeração externa de latas, garrafas plásticas ou de vidro, ou em isopor, mesmo que feito com água potável, ele perde sua característica de inocuidade (de não causar dano à saúde) ao ser aberto e exposto a esses recipientes. Nesse caso, não deve ser ingerido com bebidas ou outros alimentos.

Fonte: AENPR


Colunistas