Logotipo

Escola Faria Sobrinho recebe o projeto “Mãos Amigas”

11 de janeiro de 2019

Atividade atua na ressocialização de presos, contribuindo para a manutenção de prédios públicos

Compartilhe


A Escola Estadual Faria Sobrinho está sendo contemplada com o projeto “Mãos Amigas”. Há 15 dias, o prédio histórico está recebendo pintura externa feita por detentos da Colônia Penal Agrícola de Piraquara, os quais já cumpriram 80% da pena em regime fechado e hoje estão em processo de ressocialização.

Direção elogiou o trabalho feito pela equipe 

A diretora do estabelecimento, professora Liliana Kffuri, destacou que para participar do projeto a escola se inscreveu e foi contemplada. “A pintura estava orçada em R$ 18 mil, que é um valor fora da nossa realidade, por isso estamos felizes por participar desse projeto que comtempla ambas as partes. O comportamento deles é algo que precisa ser elogiado, além do profissionalismo e dedicação no trabalho realizado”, destacou. A cada três dias de trabalho, reduz um dia de pena, esse é o pagamento.

A escola arcou com a matéria-prima (tinta, massa corrida e acrílica, pincéis e outros aparatos necessários para a pintura), investindo cerca de R$ 8 mil. A escola também oferece alimentação que é composta por café da manhã, almoço e café da tarde. A previsão é que a obra esteja concluída dentro de duas semanas.

De acordo com Nilson Andrade, que é técnico da Fundepar e coordenador da equipe, quem participa do programa são presos do regime semiaberto que estão perto de cumprir a pena e estão prestes a ganhar liberdade. A equipe é formada por 13 homens que trabalham na escola durante o dia e retornam para a colônia penal à noite.

A ressocialização daqueles que estão privados de liberdade é um dos objetivos do Projeto. “Essa é uma importante ação porque busca profissionalizar o preso e reintegrá-lo à sociedade”, destacou o coordenador Nilson. Ele ressalta também que o trabalho executado é uma oportunidade para ressocialização, além de ajudar na melhoria e conservação das escolas estaduais.

Pintura deve ser concluída em duas semanas 

O ‘Mãos Amigas’ é realizado em cooperação pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional (Fundepar) e pela Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária (SESP) - Departamento Penitenciário (DEPEN), com interveniência do Paraná Educação.

“MÃOS AMIGAS”

No projeto “Mãos Amigas”, os presos do regime semiaberto da Colônia Penal executam obras de melhorias em escolas estaduais e outros órgãos do Governo do Estado. Eles realizam trabalhos de pintura, jardinagem, limpeza e pequenos reparos e recebem a redução da pena como bonificação. O programa foi criado em 2012 e somente em 2018 atuou na revitalização de mais de 500 escolas em todo o Paraná. 
 


Colunistas