Connect with us

Ano Novo 2021

Paciente relata como foi passar 90 dias internado por complicações da Covid

Valmir, de 38 anos, conta os ensinamentos que teve em 2020

Publicado

em

Paciente relata como foi passar 90 dias internado por complicações da Covid

É inegável que a pandemia já trouxe ensinamentos para muitas pessoas em 2020. Mas, para algumas delas, o valor da vida foi sentido na pele, ao serem diagnosticadas com a Covid-19 ou vivenciarem um caso grave na família. Após exatos 90 dias internado, Valmir Laurindo da Silva, de 38 anos, é um dos sobreviventes dessa doença que fez e ainda faz vítimas mundo afora. 

Até o dia 14 de dezembro, o Brasil totalizava 6.138.349 recuperados da Covid-19 e 181.402 óbitos. Em Paranaguá, o primeiro caso confirmado foi registrado no dia 2 de abril e, desde então, várias medidas são adotadas para conter a infecção.

”Só tenho a agradecer a todos os profissionais da Ala Covid do Hospital Regional do Litoral, fui muito bem tratado por toda equipe”, lembrou Valmir

A história de Valmir com a Covid começou no dia 16 de agosto, quando já apresentava alguns sintomas característicos como febre alta e falta de ar e resolveu procurar atendimento no Hospital de Campanha implantado no João Paulo II, em Paranaguá.

Valmir faz parte do grupo de risco para a Covid-19, tem hipertensão, e precisou ficar 90 dias internado até que pudesse receber alta hospitalar.

“Os primeiros dois meses foram sem expectativa nenhuma, eu estava inconsciente. Os últimos 30 dias foram os melhores, pois foi quando eu pude receber a visita dos meus familiares, após dias de muitos exames diários e quando também já estava curado da Covid. Só fiquei mais alguns dias no hospital devido a uma escara que ainda continuo tratando”, relatou Valmir.

As escaras são feridas causadas pela pressão em uma mesma região do corpo, muito comum em pessoas que ficam acamadas por um longo período.

Assim como muitos brasileiros que não passaram pelo mesmo diagnóstico nem pelas consequências do agravamento da doença, ele não imaginou o quão perigosa poderia ser. “Não tinha consciência até o momento que fui diagnosticado com a doença. Eu não imaginava que fosse tão agressiva como foi”, disse Valmir.

Valor à vida

Uma doença até então pouco conhecida pelos pesquisadores e que já causou vítimas em todo o mundo deixou muitos aprendizados a Valmir, que contou o que mudou na sua vida após superar esse momento difícil. 

“Hoje, dou mais valor à vida, a amar o próximo, ser mais humilde, pois não somos nada. Eu achei que não ia sair dessa, mas Deus tem um propósito muito grande na minha vida. Só tenho a agradecer a todos os profissionais da Ala Covid do Hospital Regional do Litoral, fui muito bem tratado por toda equipe. E também tenho a agradecer a todos que oraram por mim. Desejo muita saúde a todos e que venha logo essa vacina”, declarou Valmir.

Ele também deixou um recado para aquelas pessoas que desmerecem as recomendações das autoridades de saúde e que não reconhecem a proporção e as fatalidades que a pandemia já causou. “Espero que o povo se conscientize e se cuide mais, porque essa doença não é brincadeira. Vamos nos cuidar ficando em casa, menos gente nos parques e, por favor, usar máscaras. Só quem passa por isso sabe como é”, concluiu Valmir.

Leia também: 2020: um ano desafiador para as áreas da saúde e educação